quarta-feira, 27 de março de 2013

MP não visa perdão e sim tolerância às más gestões

Hoje pela manhã, os brasileiros que acompanham as notícias esportivas foram surpreendidos com a reportagem do Aiuri Rebello, do UOL, informando que o governo federal prepara uma MP (medida provisória) para perdoar a dívida bilionária dos clubes de futebol em impostos, taxas e contribuições.

No dicionário Priberam da Língua Portuguesa, a palavra perdoar tem inúmeros significados, um deles é isentar de dívida, mas a que mais cabe aqui é o de tolerar.

A sociedade anda muito tolerante. Não há limites para nada, não há punição. 

O esporte então, tem demonstrado bem o que é falta de pulso.

Tudo é revertido em serviço social, que convenhamos não é castigo é questão de cidadania, onde qualquer um pode ajudar quem mais precisa.

Mas voltando a matéria, a ideia é que os clubes troquem 90% da dívida que possuem com o governo pelo compromisso de realizar projetos sociais, que envolvem a abertura de suas estruturas para jovens carentes receberem aulas de diversas modalidades, como natação e ginástica olímpica, gratuitamente.

Você acredita que isso vai acontecer?

Os clubes lucram milhões com o futebol de campo masculino e, por isso, só investem nesta modalidade. Exemplos disso temos aos montes. O Santos tinha o time de futebol de campo feminino Sereias da Vila, um grande investimento, com Marta e cia. e não foi renovado; o mesmo aconteceu com a equipe de futsal que tinha o melhor jogador de todos os tempos, Falcão, ganhou um título inédito e foi desfeito. O Flamengo acaba de demitir atletas olímpicos da natação e da ginástica artística.

Resumindo, no Brasil ou você joga futebol de campo masculino ou você não é valorizado esportivamente.

E o grande culpado disso é o governo federal, que há anos empurra com a barriga um projeto que poderia transformar o País em uma das grandes potências esportiva, por conta de seus talentos e de seu tamanho continental.

Mas, como é incompetente vem com essa histórinha de que os clubes vão formar atletas olímpicos. Ah, tá!

Exemplo de fora - No ano passado, eu vi algo que me fez aplaudir a Federação Portuguesa de Futebol (FPF). Mesmo tendo estima pela União Desportiva de Leiria (UDL) concordei com a decisão tomada.

O caso é o seguinte, o time - um dos principais clubes da Região Centro - estava devendo para Deus e o mundo. Nas últimas partidas da época 2011/12, os jogadores chegaram a fazer greve por ter salários atrasados e não foram ao campo. A FPF puniu o clube com a despromoção da Liga. 

Hoje, a UDL disputa a primeira divisão do Campeonato Distrital de Leiria, o que se equivaleria ao campeonato regional no Brasil. 

Sim, da primeira divisão do futebol português, o Leiria passou a disputar somente jogos regionais com o estímulo de que se vencer tem acesso a III Divisão.

As divisões portuguesas são as seguintes: Primeira Liga, Liga de Honra, II Divisão, III Divisão e Distritais.

Por isso, me envergonha quando leio notícias como esta de "perdão de dívida". Não tem que perdoar nada, tem que cobrar, punir gestores, fazer os clubes fecharem as portas. Aí quem sabe o futebol começa a evoluir.

Um comentário:

Sumaya Almeida disse...

Gostei de ver!!! Tem toda razão!! Se tiver que perdoar alguém tem que ser quem realmente não tem como pagar e precisa viver.... e não clubes de futebol!!